terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Assassina

mamãe atentadora, me atente
com todas as melhoras que carregas
em seu altar. Bates nas pessoas cegas
para que a luz penetre a nossa mente?

Assumirás qual mater o que alegas
perante o teu semblante que garante
o seu clítoris ser o mais gigante
e obeliscal monumento? Chamegas

sutilmente onde podes assentar
o seu elevadíssimo pensamento?
Fincas-tes em meu peito um altar

capaz de me dar o grande tormento
que deixa vivo aquilo que vai tacar
a pedra na nuvem do pensamento.

Agradeço a Roberto Holanda pela magnífica arte.